Políticos querem mais 20 cidades em Mato Grosso

Nenhum dos distritos atende às exigências para ser cidade. O melhor estruturado é Ouro Branco do Sul, em Itiquira, na divisa com Mato Grosso do Sul, mas ainda assim a barreira legal inviabiliza sua emancipação.

Por Boamídia 08/10/2019 - 08:18 hs
Foto: Reprodução

Não se pode dizer quem riscou o fósforo, pois são muitas as mãos políticas que buscam espaço municipal, mas dentre as digitais que ficaram nos palitos estão as dos deputados estaduais Valdir Barranco (PT) e Dilmar Dal Bosco (DEM) e da deputada federal petista Rosa Neide.

Isso é o que se deduz da audiência pública realizada na manhã desta segunda-feira, 7, na Assembleia Legislativa, para esclarecimento aos movimentos que defendem o surgimento de 20 cidades em Mato Grosso.

O auditório onde a audiência aconteceu na Assembleia ficou lotado. Vereadores, vice-prefeitos, prefeitos e militantes partidários marcaram presença. Todos ouviram atentos sobre a barreira do governo federal para a criação desordenada de municípios, que desde 2005 não permitiu mais a redivisão territorial municipal brasileira. Uma das barreiras estabelece que no Centro-Oeste  a área emancipada tenha ao menos 6 mil habitantes – nenhum dos 20 distrito se encaixa nesse quesito. Mais 35 municípios instalados não alcançam esse número de moradores (Menores municípios).

Nenhum dos distritos atende às exigências para ser cidade. O melhor estruturado é Ouro Branco do Sul, em Itiquira, na divisa com Mato Grosso do Sul, mas ainda assim a barreira legal inviabiliza sua emancipação. Porem, em todos, há movimentos organizados, basicamente formados pela classe política, mas sem participação popular significativa. Barranco viu nessa movimentação uma forma de se aproximar das chamadas lideranças locais, e leva adiante seu propósito com cobertura política de sua correligionária Rosa Neide, em Brasília, Dal Bosco, para não ser atropelado, juntou-se ao colega. Na Assembleia são muitos os parlamentares que defendem a criação das cidades.

A lista dos emancipáveis é formada por Salto da Alegria (Paranatinga), Capão Verde (Alto Paraguai), Nova Fronteira (Tabaporã), Guariba (Colniza), Nova União (Cotriguaçu), Santa Clara do Guaporé (Vila Bela da Santíssima Trindade), Rio Xingu (Querência), União do Norte (Peixoto de Azevedo), Espigão do Leste – também chamado de Baianos (São Félix do Araguaia), Novo Paraíso (Ribeirão Cascalheira), Paranorte (Juara), Boa Esperança do Norte (Sorriso e Nova Ubiratã), Cardoso do Oeste (Porto Esperidião), Santo Antônio do Fontoura (São José do Xingu), Ouro Branco do Sul (Itiquira), Conselvan (Aripuanã), Veranópolis do Araguaia (Confresa), Brianorte (Nova Maringá), Japuranã (Nova Bandeirantes) e Rondon do  Parecis (Campo Novo do Parecis).

Boa Esperança do Norte é um caso especial e seu pedido de emancipação é analisado judicialmente pelo Tribunal de Justiça. Uma uma lista anterior também fazia parte Jarudore (Poxoréu), que foi retirado por conta de uma ação que reivindica sua área para a etnia indígena dos bororos.

PAPELADA – Inspirado por Barranco os interessados na emancipação criaram um grupo de trabalho com representantes dos municípios e Assembleia.

Participando da audiência o presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Neurilan Fraga, sugeriu que sejam elaborados mapas das áreas emancipáveis e que os mesmos cheguem ao IBGE, que assim poderia efetuar a contagem dos moradores quando do Censo 2020. Esse mecanismo reduziria o trabalho do grupo, que teria que fazer tal contagem por meio de órgão do governo estadual.

Histórico municipal

Em 1977 quando do desmembramento de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso tinha 38 municípios. Com o avanço da colonização surgiram novas cidades a exemplo de Sinop, Sorriso, Alta Floresta, Canarana, Vila Rica, Lucas do Rio Verde, Colíder, Nova Mutum, Água Boa e outras.

Em 1º de janeiro de 2001, Mato Grosso saltou de 126 para 139 municípios, com a posse de 13 prefeitos em prefeituras instaladas naquela data. Quatro anos depois, mais dois municípios foram criados e o número subiu para 141.

Dos 15 novos municípios, somente Colniza apresentou crescimento populacional significativo. É sede de comarca e tem 38.582 habitantes. Os demais, dependem quase que exclusivamente de repasses para se manterem.

Os 13 instalados em 2001; Colniza, Rondolândia, Conquista DOeste, Novo Santo Antônio, Serra Nova Dourada, Bom Jesus do Araguaia, Santo Antônio do Leste, Santa Cruz do Xingu, Nova Santa Helena, Santa Rita do Trivelato, Nova Nazaré, Vale de São Domingos e Curvelândia.

Os dois instalados em 2005: Itanhangá e Ipiranga do Norte.

Menores municípios

Nortelândia 5.989

Cocalinho 5.700

O núcleo urbano começou em 1974, para dar suporte às fazendas que se dedicam a pecuária extensiva. O Supermercado Tulha foi o primeiro estabelecimento do lugar onde mais tarde seria a cidade. Seu proprietário, o pioneiro paulista Fernando Tulha, dono da fazenda Diva, praticamente não tinha freguesia na área urbana; seus clientes eram pecuaristas que formavam pastagens na região. A cidade dista 42 quilômetros do rio Xingu, pela MT-322, que liga a BR-242, em Alto Boa Vista, a Matupá, na margem da rodovia Cuiabá-Santarém. A travessia do rio é feita por uma balsa administrada por índios, que cobram pedágio e nem sempre atendem os motoristas, o que provoca transtornos. No período das chuvas a estrada fica praticamente intransitável. O primeiro nome do lugar foi São José do Bangue-bangue, em alusão a fazenda Bangue-bangue, nas margens da estrada da Bituca, perto do perímetro urbano e, também por irreverência a uma suposta violência que a caracterizaria. Ainda hoje, os moradores de São José do Xingu se referem carinhosamente à cidade chamando-a de “Bangue”.  A pecuária é a principal atividade econômica. O município observa a hora oficial de Brasília.
São José do Xingu 5.595

General Carneiro 5.540

Porto dos Gaúchos 5.410

Acorizal 5.399

Curvelândia surgiu numa área da antiga Fazenda Nacional da Caiçara, em Cáceres. Na faixa de fronteira, sua economia é alicerçada na pecuária leiteira e na indústria cerâmica. Seu primeiro nome foi Curva do Boi.
Curvelândia 5.219

Santo Antônio do Leste 5.174

Rio Branco 5.156

Novo São Joaquim 5.074

São Pedro da Cipa 4.727

Canabrava do Norte 4.743

Santa Carmem 4.525

Nova Guarita 4.519

São José do Povo 4.063

Conquista DOeste 4.038

Novo Horizonte do Norte 4.004

Rondolândia 4.001

Nova Nazaré 3.849

Nova Brasilândia 3.829

Tesouro 3.805

Itaúba 3.802

Nova Santa Helena 3.718

Torixoréu 3.609

Figueirópolis D'Oeste 3.494

Santa Rita do Trivelato 3.429

Salto do Céu 3.365

Nova Marilândia 3.278

Santo Afonso 3.146

Vale de São Domingos 3.127

Araguaiana 3.100

Glória DOeste 3.026

Porto Estrela 2.963

Indiavaí 2.752

Reserva do Cabaçal 2.732

Planalto da Serra 2.662

Novo Santo Antônio 2.640

Santa Cruz do Xingu 2.564

Ribeirãozinho 2.405

Luciara 2.077

Serra Nova Dourada 1.650

Ponte Branca 1.576

Araguainha 935