Prefeitos e vereadores querem unificar mandatos e apontam economia de R$ 3 bi

Para o presidente da AMM, Neurilan Fraga, a unificação dos mandatos será benéfica ao país. A economia significativa aos cofres públicos é uma das principais vantagens apontadas pelos defensores da proposta. Estima-se uma economia de cerca de R$ 3 bilhões

Por RDNews 03/06/2019 - 08:47 hs
Foto: Reprodução

A unificação do processo eleitoral no país foi o principal tema discutido  nesta quinta (30), em Cuiabá, durante o 1º Encontro Municipalista “Unificação das Eleições – Uma causa em prol do Brasil”. O evento foi promovido pela União das Câmaras de Mato Grosso (UCMMAT) e Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM).

Para o presidente da AMM, Neurilan Fraga, a unificação dos mandatos será benéfica ao país.  A economia significativa aos cofres públicos é uma das principais vantagens apontadas pelos defensores da proposta. Estima-se uma economia de cerca de R$ 3 bilhões caso as eleições do ano que vem sejam adiadas e prorrogadas para 2022.

Neurilan acredita que é necessária uma grande mobilização para colocar em votação o relatório do deputado federal Valtenir Pereira (MDB), relator da PEC 56/2019, que propõe a unificação das eleições gerais e municipais. “Precisamos nos mobilizar e pressionar o Congresso Nacional para a aprovação dessa matéria”, disse.

Na próxima terça (4) e quarta (5) os presidentes de entidades municipalistas, juntamente com os parlamentares que integram a Frente Parlamentar em Defesa dos Municípios e do Pacto Federativo, vão  pressionar o presidente da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara, Felipe Francischini, para que coloque a PEC 56/2019 em votação. Caso contrário, planejam fazer uma grande mobilização.

Valtenir, por sua vez, avalia que a PEC é constitucional, de acordo com o regimento da Câmara dos Deputados. O parlamentar disse que a primeira etapa para que a PEC avance no Congresso é a aprovação na Comissão de Constituição e Justiça. Ele  também destacou a economia de R$ 3 bilhões para o país. “Seria possível construir no Brasil, no mínimo, mais 1.500 creches e mais de três mil PSFs”, afirmou.

 O presidente da UCMMAT Edclay Coelho também destaca a possibilidade de se investir em infraestrutura e na área social. O evento teve o apoio da União dos Vereadores do Brasil (UVB) e da Confederação Nacional dos Municípios (CNM). O encontro  contou com a participação de prefeitos e vereadores de todo o estado, além de deputados federais, estaduais, juristas, entre outros.