Sindicato garante que 70% das escolas estão em greve; governo contabiliza 42%

Os servidores da Educação entraram em greve sob a alegação de que o governador Mauro Mendes (DEM) não atende às reivindicações da categoria.

Por RDNews 29/05/2019 - 15:06 hs
Foto: Rodinei Crescêncio

Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Grosso (Sintep) afirma que 70% das escolas estaduais de Mato Grosso aderiram à greve, iniciada na última segunda (27). A afirmação vai contra levantamento divulgado pelo Governo do Estado, que apontou que 42% das unidades de ensino teriam aderido ao movimento.

Os servidores da Educação entraram em greve sob a alegação de que o governador Mauro Mendes (DEM) não atende às reivindicações da categoria. Eles pedem o chamamento dos aprovados em concursos públicos, o pagamento de revisões salariais, melhorias na estrutura das unidades de ensino, entre outros pontos.

De acordo com o Sintep, a decisão pela greve foi tomada em assembleia geral realizada no último dia 20. Segundo o Sintep-MT, a paralisação é por tempo indeterminado, até que haja diálogo com o governador.

Conforme o sindicato, somente 30% das 767 escolas estaduais continuam com suas atividades normais. O governo, porém, afirma que 47% das unidades de ensino continuam tendo aulas, mesmo com a paralisação da categoria.

Rodinei Crescêncio

salarios_professores

O presidente do Sintep, Valdeir Pereira, afirma que os números divulgados pelo Executivo estadual não correspondem à realidade nas escolas. “Ao todo, são 29 mil professores, auxiliares e técnicos que reivindicam o pagamento de 7,6% de ajuste garantido na Lei Complementar 510/2013, que prevê aumento anual consecutivo neste valor até 2023”.

Cita que outras pautas reivindicadas são o chamamento dos classificados no concurso público realizado em 2017, na gestão Pedro Taques (PSDB).

Segundo Valdeir, o governador não tem demonstrado vontade em dialogar com os servidores da Educação desde o início do mandato. “Ele vai precisar responder qual é a proposta que tem para a Educação. São R$ 1 bilhão que deixa de entrar por ano na educação em razão dos incentivos e renúncia fiscal”, asseverou.

Outro lado

Por meio de nota, divulgada na manhã desta terça, o Executivo menciona que uma reportagem da revista Nova Escola, especializada em Educação, mostra que o salário dos professores de Mato Grosso é o melhor do Brasil - veja tabela ao lado.

Na frente de Mato Grosso estão Maranhão (R$ 5,7 mil) e Mato Grosso do Sul (R$ 5,5 mil), que possuem regime de 40h semanais. Proporcionalmente, conforme o Executivo, se Mato Grosso trabalhasse em regime de 40h semanais, o salário saltaria para R$ 5,7 mil.

“Desta forma, Mato Grosso tem pago 70,1% a mais que o piso nacional de 40h, mesmo os professores tendo uma jornada de 30h”, afirmou o Governo, por meio de nota.

Por Vinícius Lemos e Vinícius Bruno