Febre amarela: Brasil tem 409 mortes e 1261 casos confirmados

Dados são do período entre julho de 2017 e 8 de maio de 2018. Outros 1301 casos estão em investigação, diz o Ministério da Saúde.

Por G1.Globo 10/05/2018 - 09:01 hs
Foto: Divulgação/ Prefeitura de Ubatuba

Entre julho de 2017 e 8 de maio de 2018, o Brasil registrou 409 mortes por febre amarela, informa o último boletim epidemiológico divulgado pelo Ministério da Saúde. No boletim anterior, que contabilizou dados até o 2 de maio, o país registrava 394 mortes. Abaixo, acompanhe a evolução dos casos em 2018:

Crescimento dos casos da doença em 2018
Gráfico feito de acordo com a divulgação dos boletins epidemiológicos
Número de registros Casos confirmados9/116/124/130/17/216/220/228/26/314/320/327/312/417/042/58/50250500750100012501500
Fonte: Ministério da Saúde

O ministério investiga ainda 1301 casos. Em relação ao boletim do dia 7 de maio, a pasta registra mais 15 mortes. Há também mais 4 casos em relação aos dados anteriores, em que 1257 pacientes com a condição foram confirmados.

Vale lembrar que o Ministério da Saúde não confirma os casos e os óbitos na mesma hora em que ocorrem; e, por isso, esses dados de agora podem ser referentes a dias anteriores.

As mortes e os casos no país vêm aumentando desde que o vírus da febre amarela passou a circular em outras regiões, principalmente no Sudeste -- antes, a doença ocorria mais frequentemente em áreas da região amazônica.

Como no período anterior, o Sudeste registra a maior parte dos casos e óbitos -- com apenas um episódio ocorrendo fora da região (no Distrito Federal). São Paulo e Minas Gerais concentram 82% das mortes.

Confira a distribuição de mortes por estado:

Número de mortes causadas por febre amarela
Governo alerta que dados são preliminares e podem sofrer alteração
Dados de 8 de maio de 2018 11111761767171160160Distrito FederalEspírito SantoMinas GeraisRio de JaneiroSão Paulo0100200255075125150175
Rio de Janeiro
71
Fonte: Ministério da Saúde

Os casos e óbitos afetam mais homens em idade economicamente ativa, informa o Ministério da Saúde. Segundo a pasta, os episódios de febre amarela devem diminuir a partir do inverno; já que a circulação do vírus é mais frequente em períodos mais quentes.